Comunicati Stampa

Centro de Desenvolvimento de Produto completa um ano com novos projetos
Inaugurado em junho de 2009, CDP trabalha hoje no desenvolvimento de veículo militar, combustíveis ambientalmente sustentáveis e outros programas.


Veículos como os IVECO Trakker, Tector e Daily 70C16, projetados e testados no Brasil, contribuem para estratégia de crescimento da montadora na América Latina.


Corpo profissional e novas tecnologias agregam valor e atendem às necessidades do cliente na região.
 

Ao completar um ano de existência, em junho de 2009, o Centro de Desenvolvimento de Produto (CDP) da Iveco Latin America, em Sete Lagoas (MG), já registra um crescimento de 10% no seu quadro de pessoal e atuou diretamente no projeto e aperfeiçoamento de vários lançamentos da empresa desde então. Também trabalha no desenvolvimento do Veículo Blindado de Transporte de Pessoal e em estudos e testes de novas tecnologias ecologicamente sustentáveis para motorização de caminhões. “Hoje, já possuímos veículos de baixo consumo com bom desempenho e continuamos aprimorando essa tecnologia. Além disso, temos projetos em andamento e parcerias que, em breve, serão apresentados para o mercado trazendo benefícios com significativa redução nas emissões de poluentes e significativa redução do consumo de combustível”, explica Marcello Mota, gerente de plataforma de veículos leves.
 

Atualmente, todos os veículos Iveco são equipados com motores capazes de trabalhar com o Biodiesel B5, uma mistura de 95% de diesel fóssil com 5% de biodiesel. O Centro de Desenvolvimento de Produto já está testando tecnologias que permitem elevar esse índice a níveis acima dos 20% de biodiesel, em linha com a meta que deu origem à criação do Centro. Único CDP da montadora fora da Europa, ele foi inaugurado em 12 de junho de 2008, com a presença do governador Aécio Neves, e do presidente mundial da Iveco, Paolo Monferino, com o objetivo de desenvolver e criar novos caminhões pensando nas necessidades e nos diferenciais do mercado latino-americano.
 

Desde então, já saíram das mesas e computadores do CDP contribuições como o IVECO Daily 70C16, veículo inexistente na gama européia do modelo e que teve de ser especialmente desenvolvido para o Brasil e os demais mercados latino-americanos. Para chegar a esta versão foram necessárias 25 mil horas/homem de trabalho de engenharia além de 225 mil km de provas de durabilidade em percurso severo.
 

Além dele, no novo extra-pesado Iveco Trakker. Nascido fora-de-estrada, é o mais avançado caminhão para as atividades de mineração, construção pesada, madeireira e canavieira, movido pelo forte motor Cursor 13. Após 9.000 horas de engenharia e mais de 10 mil km de testes de durabilidade, o veículo foi lançado no mercado latino-americano com resultados significativos. Entre as inovações para este veículo estão os freios S-Came, mais robustos, competitivos e adequados às severidades das condições locais do que os freios que equipam os modelos europeus, além de motor, caixa de câmbio e chassi fabricados no Brasil.
 

Outro lançamento totalmente adequado para as condições latino-americanas é o Iveco Tector. Além de levar em conta o clima, a topografia e a infra-estrutura regionais, foram ouvidos clientes na fase de desenvolvimento, o que permitiu realizar intervenções para atender às sugestões propostas. O modelo 6x4 foi especialmente projetado, recebendo cabina com design moderno, mais conforto e ergonomia, com transmissão de 9 marchas – um conceito inovador no segmento dos semi-pesados, e nova versão do motor Tector 6 cilindros com 250 cv de potência, que aliam desempenho com maior economia de combustível.
 

Um dos projetos em andamento hoje é a Viatura Blindada de Transporte de Pessoal, feito em conjunto com o Exército Brasileiro, para oferecer uma viatura militar de 18 toneladas capaz de carregar 11 soldados. O primeiro protótipo será construído na fábrica de Sete Lagoas e deve estar pronto em 2010 para o início da fase de testes. Uma das metas do programa é que mais de 60% dos componentes do VBTP sejam fabricados no Brasil, reduzindo custos de produção e manutenção.
 

Desde sua inauguração, o CDP tem cumprido papel-chave no plano estratégico da montadora de lançar duas novas linhas de produto por ano até 2010 e expandir a participação de mercado da IVECO na região. Além disso, o know-how desenvolvido no Brasil já foi exportado para outros países. “Algumas soluções estruturais desenvolvidas aqui foram utilizadas em produtos IVECO da Rússia e China”, observa Marcello Motta.
 

Atualmente, cerca de 210 profissionais, entre engenheiros, técnicos, mecânicos, motoristas, eletricistas, instrumentadores e ferramenteiros trabalham no Centro de Desenvolvimento de Produto – 10% a mais do que na época da inauguração. Em suas instalações, convivem profissionais italianos, argentinos e brasileiros. Além disso, o CDP está conectado por sistemas de telecomunicações e informática de última geração, que permitem integração on-line com outros centros na Europa e escritórios na Argentina.
 

O Centro conta com modernos recursos tecnológicos para projeto e criação de produtos, desenvolvimento de protótipos e realização de testes funcionais, de homologação e de durabilidade. Suas instalações têm capacidade para atender uma frota de 120 veículos em teste de todas as gamas. Uma pista de provas de 2,500 m de extensão e pistas especiais para testes estruturais e ensaios homologatórios e funcionais serão inauguradas em breve.
 

“Além de levar em consideração o clima, a topografia e a infra-esturuta do país, o cliente de um veículo comercial é muito especial. Esse cliente não compra um objeto de desejo, mas uma ferramenta de trabalho que gera receita para sua empresa. Trata-se de um comprador racional e não impulsivo. Isto é o que nos leva a pesquisar e desenvolver com muito cuidado o que vamos oferecer ao mercado. Isso é o que nos aproxima, cria vínculos e fideliza o cliente com a marca IVECO”, diz Marcello Motta.
 

ENGENHARIA COMPLETA

O Centro de Desenvolvimento de Produto da IVECO em Sete Lagoas tem instalações de 4.000 m2 de área operacional. Ele compreende escritórios, salas de reuniões e uma grande oficina de montagem de protótipos. Este conjunto vai integrar de forma completa oito áreas de engenharia de desenvolvimento: engenharia Avançada, Powertrain, Chassis, Elétrica e Eletrônica, Carroçaria, Engenharia do Cliente e Testes e Protótipos.
 

Engenharia Avançada

Primeiro estágio do projeto de engenharia, responde pela elaboração do conceito de um novo produto e definição do seu conteúdo técnico de acordo com o mercado para o qual será produzido. Sempre atento à inovação tecnológica e ao estado da arte da tecnologia disponível no grupo IVECO e nos principais fornecedores.
 

Responsável pelo conceito e pela inovação, constantemente sintonizada com o estado da arte da tecnologia automotiva, disponibilizada tanto pelo grupo IVECO no mundo como pelos seus principais fornecedores.
 

Elétrica e Eletrônica

Responsável pela arquitetura elétrica e eletrônica dos veículos, adaptando funções disponíveis na matriz tecnológica européia da IVECO à realidade e utilização local, adequando, através de testes, às interferências eletromagnéticas, durabilidade de componentes frente às condições climáticas e de uso dos mercados locais. Tem também por missão equipar os veículos com os requisitos de comunicação, interatividade e conectividade cada vez mais necessários no transporte logístico de cargas.
 

Com a crescente demanda por uma interatividade e conectividade na movimentação logística dos veículos com suas bases, o mercado hoje exige uma eletrônica embarcada que traga eficiência e segurança para as empresas, produtos, veículos e seus motoristas.
 

Chassis

Trata do desenvolvimento da base estrutural do veículo, o chassi, suspensões, sistema de direção, sistema de combustíveis, freios, rodas e pneus, adequando a um só tempo robustez, durabilidade e segurança ao produto.
 

Responsável pelo desenvolvimento dos componentes estruturais do veículo. Onde todo o trabalho é feito para garantir ao mesmo tempo robustez, durabilidade e segurança.
 

Carroçaria

Desenvolve projetos de carrocerias, desde o estilo externo ao acabamento interno dos veículos. Assegura a integridade estrutural e a durabilidade da cabina tendo em conta a ergonomia e conforto do motorista e ocupante.
 

Powertrain

A missão desta área é desenvolver a correta combinação do conjunto motor-câmbio e dimensioná-lo às necessidades dos modelos em termos de potência, torque e desempenho dinâmico, bem como a constante busca de otimização de consumo de combustível. O estudo de combustíveis alternativos é também responsabilidade desta área.

 

Tem como objetivo dotar o produto do mais econômico, durável e eficiente sistema de propulsão, privilegiando principalmente o baixo consumo de combustível, marca registrada dos caminhões Iveco.
 

Teste e Protótipo

Constrói e certifica o projeto através de validação e aprovação de protótipos de novos produtos, por meio de testes funcionais, de homologação e durabilidade, em laboratório ou veiculares, visando o desempenho planejado. É de responsabilidade da área todos os testes, manutenção e avaliação de protótipos e veículos pré-série, observando características de desempenho, ruído, durabilidade, emissões, conforto e consumo de combustível.
 

Completa o time de especialistas citados acima, cuja missão é validação do desenvolvimento de veículos modernos e principalmente econômicos.
 

Engenharia do Cliente

O Centro de Desenvolvimento de Produtos IVECO privilegia de proximidade com o cliente por meio desta área, que trabalha no acompanhamento dos veículos de série em operação, visando as oportunidades de aperfeiçoamento constante da qualidade, redução de custos operacionais ou melhoria das características do produto, sob a ótica de quem compra e usa o caminhão. Nesta análise entram aspectos técnicos oriundos de toda a cadeia (concessionários, implementadores, encarroçadores e fornecedores).
 

Responsável pelo acompanhamento dos veículos de serie nas mãos dos clientes, dando soluções a eventuais problemas de campo. Desenvolve soluções customizadas para  frotistas  (veículos especiais) e também pelas ações de redução de custos dos veículos em produção.